Terminou este fim-de-semana a segunda oficina de interpretação do projecto P-STAGE – Portuguese Speaking Theatre Actors Gather Energies (IV Estágio Internacional de Actores), liderado pela Cena Lusófona. A formação decorreu em Bissau ao longo de quatro semanas e culminou com a apresentação pública de uma aula aberta no Centro Cultural Francês da capital guineense. No início da sessão, intervieram António Augusto Barros, presidente da Cena Lusófona, e Hannes Houser, encarregado de negócios da União Europeia na Guiné-Bissau.

oficinabissau10

oficinabissau03
Dirigida pelo encenador galego Cándido Pazó, a oficina foi subordinada ao tema “da oralidade à teatralidade”, procurando estabelecer uma ponte entre a tradição da narração oral guineense e interpretação teatral. Ao longo do período de formação, os cerca de 30 formandos, com idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos e representando oito grupos de teatro de Bissau, puderam aperfeiçoar as suas técnicas de representação, a partir do acto de contar histórias.
A aula aberta, à qual assistiram perto de sessenta espectadores, teve lugar na sexta-feira, pelas 18h00, com entrada livre. Foi uma verdadeira sessão de contadores de histórias, recolhidas entre a tradição local e a história universal e contadas em português e em crioulo da Guiné-Bissau.
Tal como previsto, foi feita uma primeira selecção de sete participantes, a partir da qual serão seleccionados os dois elementos que participarão na próxima fase do projecto.

oficinabissau09
O P-STAGE
O projecto P-STAGE é uma parceria entre a Cena Lusófona, a AD – Acção para o Desenvolvimento (Guiné-Bissau) e o Elinga Teatro (Angola), que tem ainda como associados o Teatro Vila Velha (Salvador, Brasil), o Centro de Intercâmbio Teatral de São Tomé (São Tomé e Príncipe), o Centro Dramático Galego e A Escola da Noite, a Companhia de Teatro de Braga e o Theatro Circo de Braga (Portugal). É desenvolvido no âmbito do Programa ACP-UE de apoio aos sectores culturais ACP, um programa executado pelo Secretariado do Grupo dos Estados ACP e financiado pela União Europeia.
As actividades tiveram início em Julho de 2012 e estendem-se até ao final de 2014. O projecto inclui a realização de três oficinas de interpretação em países africanos (Angola e Guiné-Bissau, já realizadas, e São Tomé e Príncipe, agendada para Julho), a construção de um espectáculo com um elenco internacional, a partir da peça “As Orações de Mansata”, do escritor guineense Abdulai Sila. A estreia desta co-produção, que integrará sete actores africanos seleccionados a partir destas oficinas e actores profissionais brasileiros e portugueses, está marcada para Outubro do presente ano, para Coimbra. Após a digressão portuguesa, o espectáculo circulará pela Galiza, pelo Brasil, pela Guiné e por Angola.
Ainda no âmbito das actividades realizadas em Bissau, teve lugar no sábado, dia 4 de Maio, a segunda reunião de parceiros do projecto, que contou, para além da equipa da Cena Lusófona, com as presenças de Tomane Camará, em representação da AD, de Ayres Major, em representação do CIT Bissau, e de Francesca Rayner, professora da Universidade do Minho (Portugal), responsável pela avaliação externa do projecto.

Anúncios